Saturday, May 1, 2010

caligrafia vespertina

caligrafia vespertina
as horas loucas ou o bocejo
que se estende do pescoço às orelhas
o olhar fixo das musas
coladas no tecto
não servem de nada
nem alimento divino

escrevo: se ao menos o céu me esperasse as lágrimas
penso: se ao menos o fogo ardesse fora de mim e não cá dentro
não de dor
mas de amores secretos
daqueles que se exploram
com um sorriso por trás do rosto sério
e um piscar de olho sonolento
lento, lento
digno de desejo
seu infinito poema bajulador

escuto: o estalar dos ossos depois da morte;

perpetuar a esperança
e pensar no que é eterno

2 comments:

  1. é bom ler-te;)

    beijinhos mil***

    ReplyDelete
  2. Oi princesa!
    Vou amanhã à noite começar a minha caminhada!Não tens que agradecer as palavras, só falo pq é sincero.Se não gostasse do que escreves não elogiava acredita!

    Falando do facto de estares em lisboa, acho uma maravilha, embora reconheça que as saudds às xs estragam tudo ;) mas estás onde (de certa forma infelizmente) tudo acontece!

    Já fui aí tantas xs podiamos ter combinado qlq coisa!Tenho metade da minha familia aí espalhada:D e já fui algumas xs fazer audições!

    Da próxima que me transportar pr esses lados, vou chatear a tua linda cabecinha pr cafezarmos:D

    Beijoca grande*

    P.S. Estou a pensar seriamente fzr o caminho de santiago pr o ano;)

    ReplyDelete